Paladar e olfato

Como o nome sugere, é uma percepção sensorial - "testamos" a qualidade e a palatabilidade de nossa comida com a boca e o nariz. O resultado é variado e individual. Se há uma doença da boca, do nariz ou das orelhas, ela pode levar a distúrbios do paladar e do olfato. Portanto, um exame completo deve esclarecer todas as causas possíveis. Dependendo da causa, a função pode ser restaurada, por exemplo, por uma operação no nariz ou nos seios paranasais.

Disfunção olfativa

O cheiro e a degustação estão entre as percepções sensoriais dos seres humanos, além de ver, ouvir e tocar, e assim contribuir para a qualidade de vida, mas também significam proteção em situações perigosas.

Cada segunda pessoa com mais de 65 anos é afetada por uma perda do olfato. A atividade decrescente das células olfativas com o aumento da idade pode ter um papel nisso. No entanto, cerca de 2% dos menores de 65 anos também sofrem de desordens olfativas.

O que se chama disfunção olfativa?

  • Perda completa da capacidade de cheiro (anosmia)
  • Redução da percepção olfativa (hiposmia)
  • Percepção olfativa extrema ou hipersensibilidade aos odores (hiperosmia)

Quais são as causas possíveis?

  • Inflamação das mucosas do nariz e/ou dos seios nasais
  • Infecção do trato respiratório superior
  • Acidente (golpe ou queda na cabeça)
  • Doenças neurológicas (Alzheimer, Parkinson)
  • Medicamentos
  • Procedimentos cirúrgicos que tenham sido realizados

O que deve ser feito?

  • Durante a consulta com o otorrinolaringologista, é feita uma anamnese detalhada
  • Quão fortes são as queixas (sofrimento, deficiência na vida cotidiana, ocupação)?
  • Quando começaram os sintomas (evento conhecido, possível?)
  • Como se desenvolveu a condição (período de tempo, intensidade)?
  • Histórico médico anterior
  • Medicação atual ou anterior

A consulta é seguida de um exame clínico (físico). Com o endoscópio, o especialista tem a possibilidade de olhar para o interior do nariz até a fenda olfativa. Ele pode ver se há uma curvatura do septo nasal (desvio de septo), se se formaram pólipos ou se ocorreram cicatrizes como resultado de operações anteriores.

Para completar o diagnóstico, é feito um teste de cheiro. O paciente é apresentado com odores diferentes (sob a forma canetas com odores). Pede-se agora ao paciente que determine a identidade do cheiro - com a ajuda de quatro opções -, bem como que indique a intensidade da percepção. Também é feita uma comparação lateral - narina esquerda e direita.

Em resumo, o especialista discute os resultados e a terapia resultante com o paciente. Possíveis terapias são: Terapia com medicamentos, intervenção cirúrgica, treinamento olfactivo. Este último pode ser usado, em princípio, para melhorar a capacidade de cheirar. O senhor mesmo pode fazer o teste: É composto de grãos de café, cravinho, óleo de hortelã-pimenta e perfume. Essas substâncias são colocadas em pequenos recipientes herméticos e cheiradas duas vezes por dia durante 15 segundos. A cada mês, as substâncias devem ser substituídas por outras novas. Após aproximadamente 10-12 semanas, o sucesso do treinamento deve ser perceptível.

© 2022 HNO Sarnen / powered by rihaweb
You are using an outdated browser. The website may not be displayed correctly. Close